Cirurgia da Obesidade (Bariátrica) | 71 3505-3350 / 8802-3774


Depoimento de Ilmara Cecília


IlmaraCecilia

Me chamo Ilmara Cecília, tenho 21 anos e algumas histórias pra contar dessa minha vida que esta só começando.

Bom, desde que tenho consciência do que é ser gente, que enfrento o problema de excesso de peso. Sempre a gordinha da família que mais comia nas ceias de natal, nos aniversários e qualquer lugar, a que levava a culpa quando sumia algum chocolate.

Sofri muito na infância com apelidos cruéis, alguns deles vindo de pessoas muito próximas, que me apelidavam com termos que nem valem a pena citar.

Na escola, eu era a gordinha engraçada. Esse era meu jeito de estar inclusa no “meio”, um jeito de estar entre as pessoas “normais”. Foi aonde também adquiri boa parte dos traumas que carreguei até pouco tempo na minha vida.

Na adolescência não passei por algumas experiências comuns a todos os jovens da idade, por rejeição, por preconceitos próprios e sem dúvidas preconceitos externos também, sem hipocrisias, pessoas obesas não são bem vistas pela sociedade. Não existe lugar nela para obesos.

Quando criança, sentia fortes dores no joelho, por conta do excesso de peso. Passei algumas noites de minha infância sem dormir por dor. O médico chamava minha mãe atenção, que eu devia fazer dieta pra perca de peso. Esse problema do joelho logicamente só fez se agravar com o decorrer dos anos e com o aumento de peso gradativo. Desloquei a rótula do joelho umas três vezes. Detectou-se um exporão na rótula de um dos joelhos, mais até pra operar era necessário perder peso. Depois também foi descoberto princípio de artrose nos dois.

Ainda na adolescência, mais especificamente aos 17 anos, tive início de derrame, minha pressão subiu pra mais de 20. Lembro-me que estava na escola fazendo uma prova de física (também pudera a pressão não subir!), quando comecei a passar mal. Quando cheguei ao hospital com minha mãe fui internada imediatamente. Foi um drama, já não sentia metade do meu rosto, ficou adormecido.       Não estou morta, nem com o rosto deformado hoje, porque Deus existe mesmo.

Depois disso fui mesmo obrigada a fazer dieta, foi a primeira vez que fiz uma dieta de verdade, claro que desde pequena que médicos endocrinologistas (odeio todos até hoje..rs!) me mandavam tomar shaks (eu só tomava porque tinha sabor chocolate), e até fórmulas (nunca cheguei a tomá-las). Mais dessa vez não, fiz mesmo dieta, nada de remédios, e fui pra academia. Consegui emagrecer 26 quilos.

Alguns meses depois acabei como muitas história que ouvimos, engordando tudo novamente, e com mais alguns de bônus.

Não sei bem o que me fez tomar a decisão, mais sei que quando aconteceu não teve nada que me fizesse voltar atrás. Nem mesmo o medo de minha mãe me fez se quer repensar a minha decisão. Fora a ajuda decisiva de um amigo da família que com seu depoimento fez minha mãe ver que não era o fim da minha vida e sim a tentativa de um começo, também usei de uma fala que fez com que minha mãe não tivesse mais medo. Visto que seu medo era uma preocupação maternal (que costumam mesmo serem exageradas!), disse pra ela: “A senhora tem medo de que? Que eu morra na mesa de cirurgia? Pois é mais provável que eu morra aqui agora em sua frente. Eu sou uma bomba relógio, e posso explodir a qualquer momento”. Deu certo, a partir daí só tive o apoio incondicional, e não sei como seria sem ela, nas últimas fases então, se não fosse minha mãe por perto pra me apoiar e me dizer palavras de conforto e fé, sem dúvidas nada teria sido como foi.

No processo pré-cirúrgico, tudo correu de forma tranqüila, todos os exames e laudos até mesmo a perícia que é o grande medo, tudo de forma perfeita me mostrando que era mesmo pra ser. Com a cirurgia não foi diferente, também com o médico que Deus colocou no meu caminho, não havia como não ser, Dr. João Ettinger, esse é o nome do homem que me ajudou a mudar minha vida.

Dia 20 de outubro de 2009 completo um ano de operada, hoje após onze meses de cirurgia, já emagreci 49 Kg (até agora). Tenho vivido situações que sempre desejei. Estou realmente sendo feliz, vivenciando e deliciando cada nova conquista. Sei também que a luta não acabou, ela é contínua, ainda estou em processo de “metamorfose”. A cirurgia nos salva, mas não extermina a doença da obesidade, temos que estar alerta. Porque junto a cirurgia deve haver uma mudança de pensamento e modos alimentares.

Descobri o que é a vida, o que é realmente viver. Obesos não vivem, vegetam!

Poder escolher roupas e não ser escolhida, porque agora várias cabem. Poder entra em uma loja sem ter vergonha e sem o medo de ser humilhada por vendedoras cruéis. Poder cruzar as pernas. Ser chamada de gostosa (mesmo fazendo cara feia a gente adora, o EGO agradece). Não ter mais sossego na rua ao passar, porque os homens não deixam em paz, RS! Não ter só o meu rosto elogiado! Ter as calças caindo e poder ver ossos que nem sabia q tinha. Até osso nos pulsos eu já estou vendo.
Mais pra mim, o mais importante é finalmente estar em PAZ. Isso só esta vindo agora, finalmente estou realmente acreditando no meu potencial. Sinto-me verdadeiramente linda e capaz de tudo agora. Encontrei uma frase (e tatuei em meio corpo) que traduz perfeitamente o que me levou a cirurgia bariátrica, “…vontade de viver mais, em paz com o mundo e comigo!”

Agradeço a Deus, a minha mãe, Dr. João, e alguns amigos e familiares que estiveram presente não só na fase da cirurgia como em tantos outros momentos importantes da minha vida, bons e ruins. Graças a vocês sou hoje, e finalmente FELIZ!

Ilmara Cecília

Esse post foi publicado de domingo, 25 de outubro de 2009 às 20:41, e arquivado em Depoimentos. Você pode acompanhar os comentários desse post através do feed RSS 2.0. Você pode comentar ou mandar um trackback do seu site pra cá.


55 comentários para “Depoimento de Ilmara Cecília”


  1. Wesley disse:

    incipiency@problems.regeneration” rel=”nofollow”>.…

    ñïàñèáî çà èíôó!!…

  2. kenneth disse:

    leninism@portsmouth.rembrandts” rel=”nofollow”>.…

    ñïàñèáî çà èíôó….

  3. Joshua disse:

    revenues@democratique.exultantly” rel=”nofollow”>.…

    ñïñ!…

  4. todd disse:

    again@sacramento.siren” rel=”nofollow”>.…

    ñïñ çà èíôó!!…

  5. douglas disse:

    theologian@save.unwire” rel=”nofollow”>.…

    ñýíêñ çà èíôó!…

Deixe um comentário


  • Reunião de Grupo
  • Artigos do BCG
  • O que falam do BGC
  • Informativo BGC



CENTRO MÉDICO HOSPITAL ALIANÇA - Av. Juraci Magalhães Junior, 2096 7° andar Sala 702, Rio Vermelho, Salvador, BA CEP: 41.940-060.
Tel: 07135053350 | 07188023774 | dr.ettinger@gmail.com

DEUS SEJA LOUVADO!

Desenvolvido em: WordPress | Posts (RSS) e Comentários (RSS).

Dr. João Ettinger © 2017 | Todos os direitos reservados.

Zoup Web Agência - A Agência Web de qualidade.